29 de outubro de 2018

Publicação: automotivebusiness

Goodyear lança Cargo Marathon 2, para vans e utilitários


Novo pneu traz vantagens em resistência ao rolamento, conforto dirigibilidade


MÁRIO CURCIO, AB

A Goodyear está produzindo em Americana (SP) o novo pneu Cargo Marathon 2, voltado à utilização em vans e utilitários. Ele substitui o G32 Cargo e chega num primeiro momento em três medidas, 225/70R15, 225/75R16 e 205/75R16. Com o pneu a empresa pretende aumentar sua participação no segmento de comerciais leves.

“Com ele vamos cobrir até o fim do ano quase 85% das vans e utilitários de serviço da frota nacional”, afirma o coordenador de marketing Rodrigo Falcão.

Segundo a Goodyear, o Cargo Marathon 2 oferece 10% menos resistência ao rolamento, é 5% mais silencioso e 5% melhor em dirigibilidade. Ainda de acordo com a fabricante de pneus, os motivos que tornam o Cargo Marathon 2 superior estão no desenho da banda de rodagem (que facilita a dispersão da água), na carcaça otimizada para veículos de serviço e na melhor distribuição da carga pela área de contato com o solo.

"Ombros maiores e mais largos resultam em um desgaste mais equilibrado e na melhor distribuição da pressão na banda de rodagem”, diz Falcão. Os pneus estão à venda em mais de mil pontos. Até o fim de 2018 haverá mais cinco medidas.

26 de outubro de 2018

Publicação: automotivebusiness

VWCO lança serviço de locação para caminhão Delivery Express

Modalidade visa cliente com dificuldade de aprovação de crédito e também será ampliada para toda a linha de veículos

SUELI REIS, AB

A Volkswagen Caminhões e Ônibus – VWCO – está lançando junto ao Banco Volkswagen um novo serviço de locação para atender os clientes do semileve Delivery Express, de até 3,5 toneladas de PBT. O modelo caçula da linha Delivery chegou ao mercado em maio deste ano e é classificado como VUC, Veículo Urbano de Carga, podendo trafegar em áreas onde há restrição de circulação de caminhões maiores, além de permitir ser guiado por motoristas com carteira de habilitação categoria B, a mesma exigida para automóveis.

Segundo o vice-presidente de vendas, marketing e pós-vendas da VW Caminhões e Ônibus, Ricardo Alouche, a modalidade foi pensada para o perfil de cliente que precisa do veículo para o transporte dentro do seu negócio e encontra na terceirização a melhor maneira de focar em seu core business, sem se preocupar com gerenciamento de frota.

“Embora 90% do perfil deste cliente opte pelo CDC quando o assunto é financiar um veículo de carga, muitos ainda encontram dificuldade de aprovação de crédito. Como o Delivery Express é uma categoria que não permite Finame e o leasing é pouco formatado para esse perfil, a locação se coloca como uma ferramenta ideal para quem não quer se preocupar com a despesa de manutenção do veículo”, explica Alouche.

O plano de locação é operado pela Fleet Solutions Brasil, empresa do Grupo Volkswagen, com prazo mínimo de 36 meses. No contrato, o cliente escolhe o implemento, que pode ser baú ou carga seca, define o prazo e a quilometragem de acordo com o perfil de negócio. O valor da mensalidade já contempla emplacamento, IPVA, licenciamento, contrato de manutenção Volkstotal e ChameVolks (serviço 24 horas). Além disso, os clientes também poderão solicitar outros serviços que serão calculados e acrescidos nos valores mensais, tais como seguro, pneus e fretes.

Assim como no arrendamento mercantil (leasing), aqueles que optarem pelo aluguel do Delivery Express terão ainda a possibilidade de comprar o veículo ao final do plano de locação, devolvê-lo sem ônus ou ainda renovar o plano.

“Pretendemos expandir [a locação] para toda a linha Volkswagen e MAN, inclusive ônibus, mas estamos começando pelo mais leve para posteriormente avançar para o mais pesado”, diz Alouche. Ele acrescenta que a empresa já estuda outras possibilidades do modelo de contrato para os demais modelos de caminhões, como o restante dos modelos da linha VW Delivery, VW Constellation e mesmo o MAN TGX, incluindo contratos mais longos.

“É um trabalho que está começando a ser feito na rede de concessionárias e pelo Banco Volkswagen, que vai estudar o perfil do cliente e oferecer as opções de acordo com cada perfil, porque a ideia é exatamente essa, de oferecer ferramentas que atendam a empresas de diversos segmentos e portes”, disse. “Ainda não há contratos fechados, estamos na fase de introdução da modalidade, mas há uma expectativa muito positiva, a rede já nos reportou muitos interessados e potenciais clientes”, revela. “Eu diria que não é o tipo de modalidade que vai revolucionar o mercado, mas acredito que é uma alternativa que vai crescer muito”, analisa.

Embora admita que o valor mensal do aluguel possa sair um pouco acima do valor de um consórcio, por exemplo, ele defende que o aluguel é bastante vantajoso: “Não há o custo que vem depois, quando você é contemplado pelo consórcio, porque terá que arcar com outras despesas, como IPVA, implementação e emplacamento, entre outros."

Alouche lembra também do revés que o sistema financeiro está vendo este com entre a participação do CDC – crédito direto ao consumidor – e do Finame TLP do BNDES nos contratos de financiamentos de veículos comerciais, cujas novas regras de formatação juros ficaram tornaram as duas modalidades muito equivalentes. O executivo garante que para empresas de grande porte o Finame ainda é a modalidade de crédito dominante, mas nas médias e pequenas o CDC avança com força. Atualmente, 51% das vendas da VWCO/MAN são feitas via Finame, uma fatia que já foi de 95% há anos atrás, como em 2011, quando oferecia juros negativos com o PSI (Programa de Sustentação do Investimento). “Hoje, a participação do CDC já corresponde a 49% do total das vendas e a tendência é que até o fim do ano o CDC supere o Finame.”

26 de outubro de 2018

Publicação: automotivebusiness

Hyundai mostra SUV elétrico que vai ao Salão

Saga EV foi criado na Califórnia com a ajuda do time brasileiro

REDAÇÃO AB

A Hyundai mostrou as primeiras imagens do Saga EV, carro-conceito elétrico com jeitão de SUV compacto. Ele será uma das atrações da marca no Salão do Automóvel, que ocorre entre os dias 8 e 18 de novembro no São Paulo Expo. O protótipo foi criado pelo estúdio californiano Hyundai Design North America (HDNA) em parceria com a área de planejamento de produto do Brasil.

O público-alvo do modelo seriam aqueles consumidores jovens que cada vez mais procuram carros práticos e amigáveis ao meio ambiente. “Consideramos o segmento de SUVs compactos um dos mais competitivos no Brasil, com um apelo cada vez mais urbano e jovem. O Saga EV é como a Hyundai enxerga o futuro da categoria”, afirma o diretor-executivo de vendas, marketing e pós-vendas da Hyundai Motor Brasil, Angel Martinez.

26 de outubro de 2018

Publicação: automotivebusiness

BMW começa a vender nova opção do X3

Versão xDrive20i X Line vem dos EUA por R$ 276.950 e se soma à linha nacional do SUV

A BMW começa a vender no Brasil o BMW X3 xDrive20i X Line. O carro vem de Spartanburg, nos Estados Unidos, com motor 2.0 a gasolina de quatro cilindros e 184 cavalos. Tem preço sugerido de R$ 276.950. Ele se se soma às versões xDrive30i X Line e M40i, estas duas montadas na fábrica de Araquari, em Santa Catarina.

Segundo a BMW, a nova opção trazida acelera de zero a 100 km/h em 8,3 segundos e atinge 215 km/h. Recebe faróis totalmente em LEDs e tem câmbio automático de oito velocidades com aletas para troca de marcha atrás do volante. A tração é 4x4. Vem com rodas de liga leve de 19 polegadas, ar-condicionado automático digital com três zonas distintas de temperatura, teto solar elétrico panorâmico e assistente de estacionamento auxiliado por câmera de ré e sensores instalados na dianteira e traseira do veículo.

Outros destaques do X3 xDrive20i são o sistema de navegação com tela sensível ao toque de 10,2 polegadas e o novo ConnectedDrive, que permite o acesso à internet por um pequeno cartão igual aos utilizados em celulares.

Com ele é possível obter informações sobre condições de trânsito, alertas de manutenção, serviços de conveniência como reserva de hotéis, cotação de moedas, recomendação sobre restaurantes e chamadas de emergência. Outro recurso adicional é a preparação para Apple Car Play, que permite transferir a interface de algumas funcionalidades do iPhone para a central multimídia do carro com uma conexão sem fio.

Os equipamentos de segurança incluem monitoramento da pressão dos pneus, controles de estabilidade e tração, pneus run- flat e seis airbags (duplos frontais, laterais dianteiros, de cortina dianteiros e traseiros).

26 de outubro de 2018

Publicação: automotivebusiness

Financiamento de veículos recua 14,7% em setembro, aponta Banco Central

Recursos liberados somam R$ 8 bilhões e ficam abaixo dos R$ 9,4 bilhões de agosto, maior valor do ano até agora

REDAÇÃO AB

O total de crédito liberado para o financiamento de veículos fechou setembro em pouco mais de R$ 8 bilhões, volume 14,7% menor que o total concedido em agosto, que foi um mês recorde de vendas de veículos para o ano por causa do maior número de dias úteis e por isso mesmo registrou também o maior volume em concessão de crédito de 2018 até agora, com R$ 9,4 bilhões, considerando apenas o crédito para pessoas físicas. Os dados fazem parte do relatório mais recente do Banco Central publicado na sexta-feira, 26.

O valor de setembro ajudou a elevar o saldo das carteiras em 1% na comparação mensal, passando de R$ 161,1 bilhão em agosto para R$ 162,7 bilhões no mês passado. É o melhor saldo em pelo menos dois anos, segundo o levantamento histórico do BC.

A inadimplência para o setor de veículos ficou estável em setembro, registrando os mesmos 3,5% vistos em agosto. Há um ano, os atrasos representavam 3,9% mostrando clara tendência de queda do índice, embora de forma ainda muito lenta. No entanto, o índice continua como um dos menores de todo o sistema financeiro: para se ter ideia, no segmento de cheque especial a inadimplência está em 14% e nos cartões de crédito, 6%. Na aquisição de outros bens do varejo, os atrasos estão na faixa dos 10%.

Para veículos, a taxa média de juros também permaneceu estável em setembro ao fechar em 22,2% - o mesmo índice verificado em agosto.

26 de outubro de 2018

Publicação: automotivebusiness

GKN anuncia mudanças na alta gestão Américas

Jader Hilzendeger passa a liderar a empresa na região e José Ignacio Blanco o sucede na vice-presidência para a América do Sul

REDAÇÃO AB

A GKN, fabricante de produtos para transmissão de veículos, anuncia mudanças em sua alta gestão nas Américas: Jader Hilzendeger, que até agora ocupava o cargo de presidente para a América do Sul passa a comandar a empresa em toda a região. Sob sua responsabilidade e liderança estão as operações da companhia no Brasil, México e Estados Unidos.

O executivo retornou à companhia em 2011, após ocupar posições de liderança em outras empresas no Brasil e exterior. Ele é formado em Engenharia Metalúrgica.

Para sucedê-lo como vice-presidente de operações da GKN para a América do Sul, a empresa nomeou José Ignacio Blanco. Na empresa desde 1997, acumula experiência nas áreas de engenharia, manufatura, qualidade e vendas, incluindo funções na unidade da Alemanha. Formado em Engenharia Mecânica, possui pós-graduação em Engenharia de Produção e MBA em Gerenciamento de Negócios.

26 de outubro de 2018

Publicação: Valor Econômico

Honda lança a nova geração da Gold Wing com preço de Civic Si

Por Alexandre Izo | Da Autoesporte

A Honda anunciou o lançamento da sua moto mais cara no Brasil, a Honda GL 1800 Gold Wing, que ganhou nova geração. A Gran touring (motos feitas para percorrer grandes distâncias com mais conforto) é equipada com um motor seis cilindros, câmbio de dupla embreagem e até airbag de série, na versão topo. A variante básica Gold Wing virá pintada de cinza e terá preço de R$ 136.550, enquanto a topo de linha, Tour, virá na cor vermelha e custará R$ 156.550.

A Tour se difere também por trazer de fábrica transmissão DCT de 7 velocidades, ante ao câmbio convencional de seis marchas da versão básica, e adiciona: airbag, suspensão traseira com ajustes eletrônicos pré-definidos em quatro posições (somente piloto, piloto mais bagagem, piloto e garupa e lotação completa), regulagem de altura do para-brisa e "top box".

Ambas estão disponíveis em regime de pré-venda. As primeiras unidades serão entregues em fevereiro. A garantia é de três anos, sem limite de quilometragem.

Uma das novidades da nova Gold Wing é o revisado motor seis cilindros boxer, que passou dos 1.832 cm³ para 1.833 cm³, oferecendo mais potência. Agora, a moto desenvolve 126 cv, contra os 118 cv de antes. O torque também melhorou um pouquinho e foi dos antigos 17 kgfm para os atuais 17,3 kgfm. A relação peso/potência melhora também porque a geração atual ficou 48 quilos mais leve.

A transmissão de dupla embreagem, com seis ou sete marchas, dependendo da versão, pode ser utilizada no modo automático ou com trocas de marchas no punho esquerdo. Como diferencial, a grandalhona oferece a inédita função "Walking Mode", que movimenta a motocicleta em velocidade limitada de 1,8 km/h à frente e de 1,2 km/h para trás. O que auxilia o piloto nas manobras de estacionamento.

A versão 2019 permite ainda ajustar o estilo de pilotagem por meio de quatro diferentes modos de condução: Tour, Sport, Econ e Rain. A motocicleta conta ainda acelerador eletrônico, controle de velocidade de cruzeiro, controle de tração, assistente de partida em subidas e sistema Start Stop.

O inédito chassi de alumínio é dois quilos mais leve que o anterior. A posição de pilotagem e o posicionamento do motor foram avançados. A solução, segundo a Honda, resultou em um comportamento mais estável e fluido tanto em velocidades baixas como mais altas.

A nova suspensão com regulagem eletrônica traz na dianteira função amortizante, que está separada do sistema de direção para garantir 40% mais de agilidade na ação do guidão. A suspensão traseira conta com uma balança do tipo monobraço Pro- Arm que vai conectada à um sistema Pro-Link. O sistema foi pensado para contribuir com uma ação mais progressiva, assegurando maior conforto e estabilidade.

Para frear, a Gold Wing 2019 se serve do sistema D-CBS ("Dual Combined Braking System") com ABS. A eletrônica distribui a frenagem nas duas rodas de acordo com o ajuste do "RidingMode". Na dianteira, a moto conta com pinça de seis pistões que mordem dois discos de 320 mm e, na traseira, pinça de três pistões com disco 316 mm. O pneu da frente mede 130/70 R18 e o de trás 200/55 R16.

Os assentos continuam sendo individuais, para o piloto e o passageiro. E as malas laterais tem 110 litros de capacidade. O cockpit vem equipado com sistema multimídia com tela de sete polegadas, compatível com Apple CarPlay, USB e Bluetooth. A central traz informações sobre a moto, sistema de áudio, navegação e do controle de tração, bem como da regulagem da suspensão e do controle de velocidade de cruzeiro. De série, há ainda para-brisa regulável, faróis full-led, setas com desarme automático e chave inteligente para abertura das malas laterais e do "top box".

26 de outubro de 2018

Publicação: Valor Econômico

X7 é um SUV gigante, caro e luxuoso

Por Michelle Ferreira | Da Autoesporte

As dimensões do modelo são impressionantes, basta olhar para a enorme grade dianteira: são 5,15 metros de comprimento, 2 metros de largura e 1,80 metro de altura e 3,10 metros de entre-eixos, o que significa muito espaço interno A montadora alemã BMW acaba de revelar seu maior (e mais caro) SUV. O utilitário esportivo tem dimensões impressionantes: basta olhar para a enorme grade dianteira do modelo. São 5,15 metros de comprimento, 2 metros de largura e 1,80 metro de altura. O entre-eixos também é gigante: 3,10 metros, o que significa muito espaço para os passageiros.

São três fileiras de bancos, que acomodam até sete pessoas. Os dois viajantes da terceira fileira têm assentos completos, com braços, porta-copos e portas USB. A fileira do meio também pode ser configurada com dois bancos individuais, como opcional.

Além disso, todos os assentos contam com ajustes elétricos. Com os bancos rebatidos, a capacidade do porta-malas pode ser ampliada de 326 para 2.120 litros.

Além de grande, o X7 é caro e luxuoso. O SUV vem equipado com couro Vernasca, ar-condicionado automático de quatro zonas, teto panorâmico de vidro e rodas de liga leve de 20 polegadas.

Entre os destaques do novo SUV estão o painel de instrumentos totalmente digital e uma tela de 12,3 polegadas de série. Assim como o novo Série 3, o X7 também ganha o assistente pessoal da marca, o "Intelligent Personal Assistant" (IPA), que funciona como a Siri da Apple. O sistema responde a comandos de voz e a perguntas feitas pelo motorista, além de fornecer atualizações sobre o carro. O copiloto eletrônico também pode receber qualquer nome e é acionado através do comando "Hey, BMW".

Serão três motores disponíveis para o X7. Um oito-cilindros em "V", movido a gasolina e capaz de entregar 462 cv, que equipa a versão xDrive50i; um motor a gasolina, de seis cilindros em linha e potência de 340 cv, oferecida no BMW X7 xDrive40i; além de um motor a diesel, de seis cilindros em linha, com potências de 265 cv - este oferecido no BMW X7 xDrive30d - e 400 cv (294kw) disponibilizado no BMW X7 M50d. Todos os motores são acoplados a uma transmissão Steptronic, de oito velocidades.

O BMW X7 conta com suspensão adaptativa dotada de amortecedores controlados eletronicamente e molas pneumáticas em ambos os eixos. A distância do veículo em relação ao solo pode variar em até 8 centímetros, para adequar-se ao tipo do piso de rodagem.

Entre os destaques na lista de opcionais estão o ar-condicionado automático de cinco zonas, um pacote de aromas de ambiente "Ambient Air", rodas de 21 e 22 polegadas, teto panorâmico "Sky Lounge", sistema de som Surround Bowers & Wilkins Diamond, e o sistema de entretenimento para os bancos traseiros e faróis a laser BMW Laserlight, com um facho de luz com alcance de até 600 metros.

Um pacote "off-road" também está disponível para todas as versões do modelo. Esse kit inclui um controle extra para acionar quatro opções de modos de condução: xSand, xGravel, xRocks e xSnow - para areia, cascalho, pedras e neve.

O pacote "Driving Assistant Professional" inclui os assistentes de controle de faixa e direção e os alertas de mudança de faixa, de proteção contra colisões, assistente de evasão, alerta de trânsito cruzado, alerta de prioridade e de contramão de direção e assistente de frenagem de emergência.

27 de Outubro de 2018 (18:35)

Publicação: It Mídia - IT Forum 365

Capgemini Invent lança solução dedicada ao setor automotivo

Solução Smart Mobility Connect dá vida às três dimensões de mobilidade que vão redesenhar o futuro do setor: Customer (clientes), Services and Products (serviços e produtos) e Ecosystem (ecossistemas)

A Capgemini Invent anunciou o lançamento da solução Smart Mobility Connect, sua primeira oferta global de serviços premium dedicada ao setor automotivo. Combinando a expertise da Capgemini Invent nas áreas de estratégia, tecnologia, inteligência artificial, análise e design criativo, a Smart Mobility Connect ajuda montadoras a identificar novas oportunidades de negócios, acelera a velocidade de implementação e aumenta a satisfação do cliente.

“Em uma era hiperconectada, o comportamento de compra, propriedade e uso dos veículos está mudando rapidamente. Os clientes querem poder interagir digitalmente com seus carros de forma transparente e integrada, como o fazem online. E os fabricantes de automóveis devem atender - e até mesmo antecipar - essa tendência e as expectativas de seus clientes. A Capgemini Invent está promovendo formas inovadoras de trabalhar para ajudar os OEMs a enfrentar a nova e evolutiva realidade do cenário automotivo: desde a incorporação de metodologias ágeis, aprendizado e adaptação em tempo real até a rápida interação e prototipagem. Ao capacitar as empresas automotivas com os recursos e mentalidade certas, o Smart Mobility Connect permite que eles se reinventem continuamente à medida que se adaptam a seus ambientes em constante mudança", explicou o Doutor Rainer Mehl, diretor geral para os setores de Manufatura, Automotivo e Ciências da Vida na Capgemini Invent.

A nova oferta surge em um momento no qual os agentes de OEM do setor automotivo enfrentam uma enorme quebra na indústria, assim como novos desafios que estão alterando o DNA de seus negócios. O advento das tecnologias emergentes e a inovação contínua fazem com que os OEMs precisem passar de empresas puramente de produtos a negócios que colocam os clientes no centro de suas operações. Para cumprir esse desafio com sucesso, os OEMs precisarão conduzir uma transformação coordenada em todas as áreas de seus negócios: estratégia, operações, tecnologia e cultura.

Um exemplo de OEM automotivo cuja jornada de transformação digital já está em andamento é a Audi AG. “Temos uma grande ambição para negócios digitais na Audi. Estamos criando serviços digitais, serviços de mobilidade, plataformas e soluções para clientes, revendedores e novos parceiros do ecossistema. Com negócios digitais, queremos contribuir para o resultado operacional", comentou Nils Wollny, head de estratégia de negócios digitais e experiência do cliente da Audi AG.

“Obviamente, estamos à procura de parceiros capazes de nos ajudar a realizar nossos planos, de nos desafiar, prover conhecimentos e insights trazidos de outras indústrias e dar vida às estratégias. A Capgemini é um desses parceiros, que nos apoiam com as competências de uma consultoria digital moderna".

A nova oferta personalizada da Capgemini Invent para a indústria automotiva dá vida ao ecossistema de mobilidade por meio de produtos e serviços fornecidos a partir de três pilares principais:

Connected Customer, que utiliza tecnologias avançadas e dados em tempo real para fornecer insights acionáveis, aumentando o impacto da experiência do usuário e aprofundando o engajamento do cliente;

Connected Services and Products, que usa dados e insights para identificar áreas de alto potencial para novos serviços e produtos conectados, visando aumentar a satisfação do cliente e garantindo que produtos e serviços estejam acessíveis em vários canais e adaptados às necessidades individuais;

Connected Ecosystem, que ajuda as empresas a definirem seu posicionamento futuro dentro da cadeia de valor digital, ativando sua visão por meio de modelos comerciais e operacionais cuidadosamente projetados e ágeis.

Para fundamentar esses pilares, o Grupo Capgemini conta com a “Customer Engine", uma estrutura tecnológica que ajuda a implementar suas plataformas de engajamento com o cliente. Por meio do Customer Engine, a Capgemini Invent, com o apoio da Capgemini, ajuda empresas a definirem novas experiências de usuários, capazes de proporcionar um valor rápido e sustentável aos seus clientes. Incluindo funcionalidades de última geração, como de Inteligência Artificial, que conectam todas as partes envolvidas no ecossistema de mobilidade.

27 de Outubro de 2018 (09:15)

Publicação: Fator Brasil - Automotivo

Ford diz que negociações com VW para parceria não têm limitação

A Ford Motor está em negociações sérias com a Volkswagen para ampliar a parceria para além dos veículos comerciais, de modo a ajudar a montadora americana a reverter as perdas na Europa e na América do Sul e a compartilhar os custos de tecnologia e de carros pequenos.

Estamos tendo um amplo conjunto de discussões sobre como podemos ajudar uma à outra em todo o mundo, disse Bob Shanks, diretor financeiro da Ford, em entrevista, na quinta-feira. A colaboração não tem nenhum tipo de limitação, seja em tecnologia, segmentos de produto ou geografia.

As negociações com a VW estão ocorrendo em um momento crucial para a Ford. As ações subiram quase 10 por cento depois que a empresa ultrapassou as estimativas de lucros, mas a montadora está se reestruturando globalmente e se afastou das metas de margem que havia estabelecido para 2020. A parceria com rivais é uma forma de reduzir custos e colocar novos carros e tecnologias no mercado mais rapidamente.

A Ford está em negociações semelhantes com a Mahindra & Mahindra para ampliar uma parceria que começou a desenvolver modelos para a Índia e outros mercados emergentes, entre eles veículos utilitários esportivos (SUV, na sigla em inglês) e carros elétricos.

Com a VW e a Mahindra não colocamos limites em termos de onde podemos colaborar, disse Shanks. Estamos analisando os pontos fortes e as lacunas de cada empresa nos dois lados da mesa e tentando entender como podemos nos ajudar mutuamente.

Reestruturação " O CEO da Ford, Jim Hackett, deu a entender que as parcerias estavam progredindo quando conversou com analistas na teleconferência sobre resultados da empresa.

Esperamos compartilhar mais sobre este redesenho global da empresa, disse Hackett, que está dirigindo uma reestruturação de US$ 11 bilhões da empresa. Nós vamos entrar em contato com vocês com mais frequência, inclusive falaremos sobre essas parcerias estratégicas em breve.

As ações da Ford registraram a maior alta em mais de nove anos na quinta-feira, depois que a empresa surpreendeu os investidores com lucros antes de impostos de US$ 2 bilhões na América do Norte, graças às vendas de picapes e SUVs de alta rentabilidade. O resultado é a primeira validação da controversa decisão da montadora de deixar de fabricar sedãs nos Estados Unidos.

Colaborações " Os acordos com a VW e a Mahindra poderiam melhorar ainda mais a perspectiva da Ford. Adam Jonas, analista do Morgan Stanley, prevê que a Ford perderá US$ 3,6 bilhões na Europa de 2019 a 2021, tornando-se a montadora menos rentável do mercado.

Na América do Sul, onde a VW também opera, a Ford perdeu mais de US$ 4 bilhões desde 2012. Compartilhar os custos para desenvolver carros e novas tecnologias com outra montadora pode ajudar a reverter essas perdas.

Entre em contato conosco e assine nosso serviço Bloomberg Professional. ' Keith Naughton e Christoph Rauwald/Bloomberg.

27 de Outubro de 2018 (09:15)

Publicação: Fator Brasil - Automotivo

Fiat Strada completa 20 anos com quase 1,4 milhão de unidades comercializadas

Mesmo após duas décadas, picape deve fechar 2018 como líder de seu segmento, com 53% de participação de mercado.Fiat Strada trouxe inovações como a cabine estendida em 1999, o bloqueio eletr'nico do diferencial Locker em 2008 e a terceira porta na cabine dupla em 2013.

Recorde de vendas em um ano foi de 153.139 unidades, cerca de 70.000 a mais que a segunda colocada " Quando se fala sobre picapes, a Fiat sempre foi referência por estar na dianteira, aprimorando sua linha de produtos de acordo com o que os clientes necessitam antes mesmo que eles percebam e inovando continuamente. Assim, a Fiat Strada, líder do seu segmento desde 2000, chega hoje aos 20 anos no mercado. Lançada em 24 de outubro de 1998, se tornou sucesso de vendas rapidamente graças à sua robustez e versatilidade para ser usada no dia a dia tanto para o transporte de cargas, quanto para passeios em família.

A Fiat Strada chegou, há duas décadas, para completar a família Palio em três versões: Working 1.5, Trekking 1.6 8V e LX 1.6 16V. Rapidamente conquistou o público com seu estilo e confiabilidade, ganhou diversas outras versões e mostrou ser tanto econ'mica para o trabalho, quanto jovem e descontraída para o lazer. O modelo, produzido no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG), é vendido no Brasil e, atualmente, exportado para Argentina, Paraguai e Uruguai.

Números de sucesso " No ano em que foi lançada, até por ter chegado no último trimestre, vendeu 2.016 unidades no Brasil das 4.889 produzidas. Dez anos depois, em 2008, já eram 72.045 picapes comercializadas no país e 78.912 fabricadas por ano. Em 2018, até setembro, foram 49.093 mil unidades emplacadas e 52.320 produzidas, somando 1,36 milhão de picapes vendidas no mercado nacional desde o lançamento. O recorde de vendas em um ano até hoje foi em 2014, com 153.139 unidades no ano, cerca de 70.000 a mais que a segunda colocada. No mesmo ano, a jovem Fiat Strada atingiu a marca de 1 milhão de unidades vendidas no Brasil.

Como se pode comprovar por esses números, entre as picapes compactas, o desempenho de vendas da Strada é notável. Suas vendas, quase sempre, superam a soma de todos os demais modelos concorrentes comercializados. Em 2018, sua participação de mercado em seu segmento deve atingir cerda de 53%, com aproximadamente 67.000 picapes produzidas e 65.000 emplacadas.

A marca da inovação " Os exemplos de inovação da Fiat Strada, que a fizeram ter números tão altos e relevantes, são muitos. Como destaque, por exemplo, está a chegada da versão com Cabine Estendida, em 1999. Inédita no segmento, foi um marco graças à maior praticidade de poder levar malas ou objetos maiores no interior do veículo, mantendo ainda um bom volume na caçamba.

Ela também ganhou sua primeira versão Adventure em 2002, conceito muito bem aceito pelo consumidor, e o bloqueio eletr'nico do diferencial Locker, em 2008, que foi introduzido para aumentar a capacidade de tração da picape em situações de terreno adversas. No ano seguinte foi a vez da Fiat Strada se tornar a primeira e única picape compacta com cabine dupla no Brasil. Já em 2013 inovou mais uma vez com o lançamento da terceira porta na cabine dupla, solução inédita no segmento.

Premiações " Ao longo dessas duas décadas com números que mostram o quanto o público aprova o modelo, a Fiat Strada recebeu também reconhecimento através de diversas premiações. Entre elas, estão a eleição dos Melhores Carros promovida pelo Best Cars, em que a Fiat Strada foi eleita a Melhor Picape Pequena por internautas, e a pesquisa realizada pela CINAU (Central de Inteligência Automotiva) em que o modelo ganhou como Melhor Carro, sob o ponto de vista de reparação. Outros exemplos são a eleição da Fiat Strada pela pesquisa Os Eleitos, da revista Quatro Rodas, como modelo com o maior índice de satisfação de seus proprietários, e o troféu de veículo com maior valor de revenda na categoria picape pequena, segundo levantamento anual feito pela agência Auto Informe e pela Molicar.

27 de Outubro de 2018 (09:15)

Publicação: Fator Brasil - Automotivo

Nissan completa 18 anos no Brasil

Consolidando sua presença e acelerando rumo ao futuro.

Rio de Janeiro, Brasil " A Nissan do Brasil completou 18 anos do início de sua operação oficial em solo nacional, dia 23 de outubro de 2018. A empresa japonesa chega a sua maioridade em um momento de crescimento, consolidando seu compromisso com o país, o foco no cliente e a disseminação local da sua visão global Nissan Intelligent Mobility, que busca transformar a maneira na qual os veículos são conduzidos, impulsionados e integrados na sociedade.

A celebração dos 18 anos fica ainda mais forte pelos resultados conquistados até agora em 2018. De janeiro a setembro, a Nissan já comercializou 71.730 veículos no mercado nacional, um crescimento de 33,3% em relação ao mesmo período de 2017. Já o mercado total de carros de passeio e comerciais leves teve uma evolução de 13,1%. Além disso, o Nissan Kicks nacional é um sucesso entre os brasileiros e se consolidou como um dos líderes do segmento de SUVs compactos no país.

Trabalhando em quase sua plena capacidade em dois turnos, a produção de veículos no Complexo Industrial de Resende subiu 57% e a exportação de carros Nissan fabricados nesta unidade aumentou 51%, comparando os nove meses de 2018 com os do ano passado. Números que refletem a história de uma marca que vem planejando e seguindo com foco no cliente e qualidade japonesa cada passo do seu crescimento local.

"A Nissan é uma empresa jovem no Brasil, mas contamos com o suporte e a experiência de uma marca que tem mais de 80 anos globalmente e conta com pilares fortes em tecnologia, qualidade, inovação e respeito ao cliente. Vamos continuar crescendo no país e, para isso, estamos trabalhando duro no planejamento dos próximos anos levando em consideração o que aprendemos com o passado e com as expectativas do consumidor brasileiro. Somos atrevidos e os mais brasileiros dos japoneses" afirma Marco Silva, presidente da Nissan do Brasil.

Após ter sido representada por empresas importadoras locais em diferentes épocas no Brasil " os primeiros registros datam do início dos anos 1950 " a Nissan se instalou oficialmente com uma filial no país no ano 2000. Inicialmente, a marca comercializou veículos importados de outros países, mas pouco tempo depois, no dia 20 de dezembro de 2001, já era inaugurada a fábrica de veículos comerciais para produzir modelos da Renault e da Nissan em São José dos Pinhais, no Paraná, dentro do Complexo Industrial da Renault. Esta foi a primeira fábrica comum da Aliança no mundo e passou a produzir em 2002 a picape Nissan Frontier, que foi seguida de outros modelos da marca.

Com uma linha composta por veículos importados e por modelos nacionais produzidos na unidade de veículos comerciais, a Nissan foi crescendo e conquistando os brasileiros. Após uma década, era o momento de acelerar ainda mais e a empresa anunciou um investimento de R$ 2,6 bilhões para construir o Complexo Industrial de Resende, no estado do Rio de Janeiro, 100% dedicado a produção de automóveis Nissan. Até hoje um dos maiores investimentos já feitos no Brasil dedicados a um complexo fabril no setor automotivo. Ao mesmo tempo mostrou seu atrevimento, e apesar de ser uma marca ainda muito jovem no país, reforçou seu compromisso com o Brasil ao anunciar também o patrocínio aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

O Complexo Industrial de Resende foi inaugurado em 15 de abril de 2014, com fábricas de automóveis e de motores. A unidade de veículos apresenta um ciclo completo de produção, incluindo área de estamparia e unidades de injeção e pintura de peças plásticas, e já nasceu como uma das mais modernas e sustentáveis da Nissan no mundo. A produção começou com os modelos Nissan March e Nissan Versa e os motores flexfuel 1.0 12V, de três cilindros, e 1.6 16V, de quatro cilindros.

Em 2017, com investimentos de R$ 750 milhões, a unidade industrial abriu o segundo turno de produção para lançar o Nissan Kicks nacional. Para isso, contratou mais 600 funcionários. Desde então, o ritmo de produção acompanha a aceleração das vendas e vem aumentando.

Assim, a empresa, que tinha 200 funcionários em 2010 no país, hoje conta com mais de 2.660 empregados diretos. Eles ficam divididos entre:

  • Sede da Nissan do Brasil, na cidade do Rio de Janeiro.

  • Complexo Industrial e Centro de Armazenamento e Distribuição de Peças, ambos em Resende (RJ).

  • Escritório Comercial, na cidade de São Paulo.

  • Centro de Treinamento, em Jundiaí (SP).

  • Áreas de Engenharia e Compras, em São José dos Pinhais (PR).

Além destas equipes, a Nissan do Brasil abriga ainda o Estúdio Satélite de Design para a América Latina e criou o Instituto Nissan, braço de responsabilidade social e sustentabilidade da empresa no país. A empresa também mantém desde 2012 um grupo de atletas de modalidades olímpicas e paralímpicas, o Time Nissan, que vem conquistando centenas de medalhas para o esporte brasileiro.

Com foco no futuro, a Nissan do Brasil prepara seus próximos passos no país, incluindo a aposta nos veículos elétricos, tanto que mostrará o Nissan LEAF, o carro 100% elétrico mais vendido no mundo, no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, em novembro. O evento será um marco para a empresa consolidar o Nissan Intelligent Mobility " Mobilidade Inteligente Nissan " no Brasil.

27 de Outubro de 2018 (09:05)

Publicação: Portal Fator Brasil - Geral

Casa Fiat de Cultura apresenta seu novo presidente

João Batista Ciaco, diretor de Brand Marketing Communication da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) para a América Latina, assume a presidência da instituição. Ele sucede a José Eduardo de Lima Pereira, que continua atuando como Conselheiro Cultural. Última exposição realizada, São Francisco na arte de mestres italianos, recebeu recorde de 115.600 visitante. Casa Fiat de Cultura já alcançou 2,5 milhões de visitantes desde sua fundação em 2006.

A Casa Fiat de Cultura, importante centro de exposições e difusão das artes situado no Circuito Cultural Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, apresenta seu novo presidente: João Batista Ciaco. O executivo, que é o diretor de Brand Marketing Communication da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) para a América Latina, sucede no cargo a José Eduardo de Lima Pereira, que respondeu pela entidade desde sua criação em 2006 e agora passa a atuar como Conselheiro Cultural.

O presidente da FCA para a América Latina e do Conselho Deliberativo da Casa Fiat de Cultura, Antonio Filosa, anunciou a transição na instituição e destacou: Estamos cada vez mais comprometidos e conectados com Minas. A Casa Fiat de Cultura é uma expressão do compromisso da Fiat com o desenvolvimento social, humano e cultural através da difusão da arte.

Criada em 2006 como um espaço cultural de acesso gratuito e universal, a Casa Fiat de Cultura já mobilizou um público de 2,5 milhões de visitantes em suas exposições. Ao longo dos 12 anos em que foi dirigida por José Eduardo de Lima Pereira " ele mesmo um pioneiro na trajetória da Fiat em Minas Gerais " a Casa Fiat de Cultura tornou-se um ponto de encontro da inteligência, consolidou-se como um difusor da cultura e, acima de tudo, como um espaço de relacionamento da Fiat com a comunidade que tão bem a acolheu 42 anos atrás, afirmou João Batista Ciaco. Para ele, assumir a presidência da Casa Fiat de Cultura com todo este acúmulo de significados é uma grande responsabilidade.

Acreditamos sobretudo na importância e na força da arte para a formação das pessoas, para a educação dos jovens e para o aprimoramento da própria sociedade, acrescentou o novo presidente.

Duas mil obras apresentadas em 47 exposições " Desde sua criação, a Casa Fiat de Cultura realizou 47 exposições nacionais e internacionais, por meio das quais apresentou mais de 2 mil obras, apreciadas por 2,5 milhões de visitantes, além de onze itinerâncias, que contemplaram cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília e Buenos Aires.

Para José Eduardo de Lima Pereira, que passa a atuar como Conselheiro Cultural, a principal contribuição da Casa Fiat de Cultura no período foi a contínua formação de público para as artes. Pudemos colocar ao alcance de todas as pessoas a melhor arte produzida no mundo, fruto de séculos e movimentos os mais diversos, abrangendo do Renascimento ao Barroco, do Futurismo à Arte Digital, relatou Lima Pereira.

Sobre a transição na presidência da instituição, ele ressaltou: Conheço João Ciaco há muitos anos, sei de sua enorme capacidade de trabalho e sensibilidade às nuances culturais. Fico feliz de vê-lo à frente da Casa e será um prazer colaborar com entusiasmo para a sua atuação.

A nova diretoria da Casa Fiat de Cultura " A administração da Casa Fiat de Cultura passa a ser exercida pela Diretoria Executiva composta por: João Ciaco, presidente; Emanuele Cappellano (diretor Administrativo-Financeiro da FCA para a América Latina), Fernão Silveira (diretor de Comunicação e Sustentabilidade da FCA para a América Latina) e Márcio Lima (diretor Jurídico e de Business Development da FCA para a América Latina). O Conselho Deliberativo é integrado por: Antonio Filosa, Presidente do Conselho; Erica Baldini, Conselheira (e diretora de Recursos Humanos da FCA para a América Latina); e José Eduardo de Lima Pereira, Conselheiro Cultural.

Perfil " João Batista Ciaco é diretor de Brand Marketing Communication da FCA para a América Latina e responsável pelas áreas de Marketing e Publicidade para as marcas Fiat, Jeep, Dodge, Ram, Chrysler, Alfa Romeo, Maserati, Abarth e Mopar na região. É graduado em Engenharia e Administração de Empresas, com pós-graduação em Marketing pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP- SP) e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP.

Ciaco também é pesquisador do Centro de Pesquisas Sociossemióticas (CPS). Atuou como jurado brasileiro na categoria Creative Effectiveness no 59th Cannes Lions International Festival of Creativity e no New York Festival. Em 2013 foi o presidente do júri de Efetividade Criativa do FIAP " Festival Iberoamericano de la Publicidad. Foi presidente da ABA (Associação Brasileira de Anunciantes) por quatro anos e hoje faz parte do conselho do órgão. Como executivo da FCA, conquistou importantes títulos, como o de Anunciante do Ano em 2010, no 27 Prêmio Colunistas SP, e também em 2007, o Prêmio Caboré.

O primeiro espaço cultural de uma empresa de automóveis no Brasil " No dia 7 de fevereiro de 2006, era criado o primeiro espaço cultural de uma empresa de automóveis no Brasil. A chegada da Casa Fiat de Cultura a Belo Horizonte (MG) revelou- se um marco não apenas para a cidade, mas também para o cenário artístico-cultural do país.

Naquele ano, a Fiat completava 30 anos em território brasileiro, e, como presente à população, dedicava-se à fundação de uma casa brasileira e italiana, que viria a se consolidar como alternativa à produção cultural do eixo Rio-São Paulo, com grandes exposições de padrão internacional. Há 12 anos, a Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural mineiro e brasileiro, ao apresentar, em Belo Horizonte, algumas das mais relevantes e prestigiadas exposições já realizadas no Brasil.

Perfil " A Casa Fiat de Cultura destaca-se como uma das principais iniciativas de relacionamento da Fiat com a sociedade. Resultado da evolução do seu compromisso com o desenvolvimento sociocultural do país, a instituição foi inaugurada em 2006, em Belo Horizonte, e é pioneira por ser o primeiro centro cultural do Brasil criado por uma empresa do setor automobilístico.

Reconhecida pela produção de grandes exposições de arte, com alto valor histórico, artístico e educativo, a Casa Fiat de Cultura se consolidou como um dos principais centros culturais do Brasil, inserindo Minas Gerais no roteiro das artes do país. Neste 12 anos de atuação, foram realizadas as mostras Arte Italiana do Masp (2006); Speed " A Arte da Velocidade (2007); Amilcar de Castro (2008); Com que roupa eu vou (2008); A Arte dos Mapas (2008); Olhar Viajante (2008); O mundo mágico de Marc Chagall " O sonho e a vida (2009); Rodin, do Ateliê ao Museu (2009); Guignard e o Oriente: China, Japão e Minas (2010); Olhar e Ser Visto (2011); Tarsila e o Brasil dos Modernistas (2011); Roma " A Vida e os Imperadores (2011); De Chirico: O Sentimento da Arquitetura (2012); Caravaggio e seus seguidores (2012); Barroco Itália Brasil " Prata e Ouro (2014); Recosturando Portinari (2014); Quase Poema " Cartas e Outras Escrituras Drummondianas (2014); Fernando Pacheco " Atelier em Movimento (2015); Uma Certa Itália " 15 Artistas do Piemonte (2015); Re-Conhecimento " A Gravura Norueguesa Contemporânea (2015); Umberto Nigi " Cores Cidadãs do Mundo (2015); Formas do Moderno (2016); Yara Tupynambá " Pintando a Natureza (2016); Almanaque " Pinturas de Miguel Gontijo (2016); Ensaios Visuais do Piemonte (2016); Do Outro Lado do Desenho " Leo Santana (2016); Renascimento Gráfico (2016); Pequenos Formatos, Pequenos Gestos (2016); Prazer e Morte " A Escultura Atemporal de Marco Aurélio R. Guimarães (2017); Ritratti di Commercianti (2017); Transformar, deformar, dissipar (2017); Nem tudo tem que ser pra sempre (2017); Sylvio Coutinho mostra Belo Horizonte na Casa Fiat de Cultura (2017); Hanami/Mbotyra epiak: um olhar sobre flores (2017); O Tempo dos Sonhos " Arte Aborígene Contemporânea da Austrália (2017); O Corpo da Matéria. A Matéria do Corpo. " Paolo Grassino e Luigi Mainolfi (2017); Fuga " Ana Amélia Diniz Camargos (2017); Contaminações Pictóricas (2017/2018); Refúgio Poético (2018); Construções Afetivas " Nello Nuno e Eliana Rangel (2018); Linguagens Híbridas " Bienal de Arte Digital (2018); Por trás do tapume (2018); Inarredáveis! Mulheres Quadrinistas (2018); Cidades e outras passagens na Casa Fiat de Cultura (2018); Estar no mundo, sem ser o mundo (2018); São Francisco na arte de mestres italianos (2018); O que escondo só a mim basta (2018).

Sua contribuição à renovação da produção artística e à formação de público se estende por meio de uma programação diversificada de música, literatura, ciclo de palestras e um Programa Educativo que propõe conceitos e reflexões no diálogo com o público em visitas mediadas e nas práticas promovidas no Ateliê Aberto, um espaço de experimentação artística livre. Por meio de seu núcleo de acessibilidade, dedicado às pessoas com necessidades especiais, oferece atendim ento em libras e audiodescrição, materiais em braile, peças em 3D para apreciação tátil e exercícios sensoriais.

A Casa Fiat de Cultura integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Em sua sede no histórico edifício do Palácio dos Despachos apresenta, em caráter permanente, o simbólico painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. Mais de 2,5 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 400 mil participaram de suas atividades educativas.

Casa Fiat de Cultura em 12 anos: 2,5 milhões de visitantes ' 400 mil jovens e crianças atendidos pelo programa educativo ' 47 exposições ' Mais de 2 mil obras de arte '60 curadores internacionais e nacionais ' Renascimento, Barroco, Surrealismo, Futurismo, Modernismo, Concretismo, Arte Contemporânea e Arte Digital são alguns dos movimentos abordados nas mostras ' Mais de 100 instituições parceiras em todo o mundo ' 11 itinerâncias realizadas, promovendo a circulação dos acervos e o acesso às exposições em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília e Buenos Aires.

O 1festival na Itália. Festival Itália-Brasil, realizado entre 2011 e 2013, com a participação de artistas como Nelson Freire, Grupo Uakti, Irmãos Campana, Nicolas Krassik, Grupo Galpão, Toquinho, Yamandu Costa, o artista plástico Vik Muniz, o violoncelista Antonio Meneses e a pianista Maria João, o pianista Eduardo Monteiro, o cravista Bruno Procópio, o barítono Paulo Szot e a exposição sobre o arquiteto Paulo Mendes da Rocha, a cravista Elisa Freixo e o artista Ernesto Neto. ' 5 prêmios de Comunicação e Desenvolvimento Cultural ' 15 catálogos publicados ' 1 residência artística em Arte Digital ' 18 novos artistas contemplados na seleção da Piccola Galleria ' Maior quadro de Portinari em Minas Gerais, a obra Civilização Mineira, de 1959, integra o acervo da Casa Fiat de Cultura ' 4 presépios colaborativos com a participação do público ' Mais de 200 empregos diretos e indiretos a cada exposição.

Balanço exposição São Francisco na arte de mestres italianos: 2 meses ' 115.600 visitantes ' Média de 1.700 visitantes por dia ' 20 obras de arte ' 57.395 pessoas atendidas pelo educativo ' 36.696 pessoas atendidas nas visitas mediadas ' 316 pessoas com deficiência atendidas ' 20.580 participantes no Ateliê Aberto ' 11.992 alunos e 410 escolas.

26 de Outubro de 2018 (22:51)

Publicação: Glasberg - TI Inside News

Startup usa soluções da Indústria 4.0 para otimizar a logística do setor automotivo

A Reciclapac, empresa da Incubadora USP/IPEN-Cietec, criou uma solução de embalagens e de logísticas inteligentes para gestão de ativos industriais. Trata-se de uma plataforma de Internet das Coisas (IoT), em nuvem, que, a partir de um dispositivo eletrônico instalado nas embalagens, emite um sinal de longa distância.

Captado por uma rede de antenas de conectividade das coisas, para o sistema da Reciclapac que conecta as embalagens à toda cadeia logística, entre montadoras, fornecedores e operadores logísticos, a solução permite aos usuários obter informações de localização, temperatura, umidade, se o rack se moveu ou não, se a linha de produção pode ter impactos, entre outros.

Com a solução, as embalagens deixam de ser um simples elemento de produção físico, tornando-se um meio de informação que acompanha o processo total da logística das embalagens, recebendo alertas de possíveis problemas.

26 de Outubro de 2018 (19:40)

Publicação: Zero Hora - Mundo

Tesla volta à mira da Justiça americana

A Tesla ainda não está totalmente liberada pelas autoridades americanas: a fabricante de veículos elétricos é alvo de uma investigação criminal relacionada ao seu Model 3, um carro que deveria ter uma produção maciça, disse uma fonte próxima ao tema nesta sexta-feira (26).

A investigação, que durou vários meses, é centrada nas informações fornecidas aos mercados financeiros pelo CEO do grupo, Elon Musk, sobre as metas de produção do Model 3 desde 2017, diz o Wall Street Journal, citando fontes anônimas.

A notícia vem dias depois de a Tesla anunciar seu primeiro lucro trimestral em dois anos, em particular graças a um forte aumento no volume de entregas e produção do Model 3.

A fabricante californiana, cujo objetivo é revolucionar o mercado com suas tecnologias elétricas e autônomas, fechou em setembro um acordo com o órgão regulador Securities Exchange, SEC, para encerrar uma investigação por "fraude" após um tuíte de Musk. Na mensagem publicada na rede social em 7 de agosto, o fundador da Tesla disse que poderia tirar a empresa do mercado de ações.

O Departamento de Justiça também está investigando este caso.

De acordo com o Wall Street Journal, o FBI recentemente contactou ex-funcionários da Tesla para interrogá-los na investigação criminal sobre o Model 3, que o SEC também está apurando.

Contactado pela AFP, o escritório do procurador federal de San Francisco, que supervisiona a investigação, não confirmou nem rejeitou as informações.

"No início deste ano, a Tesla recebeu um pedido não vinculativo de documentos do Departamento de Justiça sobre as previsões para o aumento contínuo de produção do Model 3 e estamos cooperando", disse um porta-voz da empresa à AFP.

Ele acrescentou, no entanto, que o grupo não havia recebido nenhuma intimação, pedido de interrogatório ou qualquer outro pedido formal. "Não houve pedidos adicionais para esta questão durante meses", acrescentou o porta-voz.

* AFP

A Tesla ainda não está totalmente liberada pelas autoridades americanas: a fabricante de veículos elétricos é alvo de uma investigação criminal relacionada ao seu Model 3, um carro que deveria ter uma produção maciça, disse uma fonte próxima ao tema nesta sexta-feira (26).

A investigação, que durou vários meses, é centrada nas informações fornecidas aos mercados financeiros pelo CEO do grupo, Elon Musk, sobre as metas de produção do Model 3 desde 2017, diz o Wall Street Journal, citando fontes anônimas.

A notícia vem dias depois de a Tesla anunciar seu primeiro lucro trimestral em dois anos, em particular graças a um forte aumento no volume de entregas e produção do Model 3.

A fabricante californiana, cujo objetivo é revolucionar o mercado com suas tecnologias elétricas e autônomas, fechou em setembro um acordo com o órgão regulador Securities Exchange, SEC, para encerrar uma investigação por "fraude" após um tuíte de Musk. Na mensagem publicada na rede social em 7 de agosto, o fundador da Tesla disse que poderia tirar a empresa do mercado de ações.

O Departamento de Justiça também está investigando este caso.

De acordo com o Wall Street Journal, o FBI recentemente contactou ex-funcionários da Tesla para interrogá-los na investigação criminal sobre o Model 3, que o SEC também está apurando.

Contactado pela AFP, o escritório do procurador federal de San Francisco, que supervisiona a investigação, não confirmou nem rejeitou as informações.

"No início deste ano, a Tesla recebeu um pedido não vinculativo de documentos do Departamento de Justiça sobre as previsões para o aumento contínuo de produção do Model 3 e estamos cooperando", disse um porta-voz da empresa à AFP.

Ele acrescentou, no entanto, que o grupo não havia recebido nenhuma intimação, pedido de interrogatório ou qualquer outro pedido formal. "Não houve pedidos adicionais para esta questão durante meses", acrescentou o porta-voz.

* AFP

26 de Outubro de 2018 (16:50)

Publicação: Paraná Noticias

Volkswagen apresenta novo carro que será montado no Paraná

A governadora Cida Borghetti participou na noite de quinta-feira (25) da apresentação mundial do T-Cross, o novo carro que a Volkswagen vai fabricar na unidade de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

"Com diálogo e trabalho estabelecemos um excelente ambiente para negócios e novos investimentos no nosso Estado", destacou Cida. “O novo modelo da Volkswagen é um orgulho para o Paraná", disse.

O evento foi realizado em São Paulo, sob o comando do presidente da montadora para o Brasil e América do Sul, Pablo Di Si. O executivo confirmou que o SUV que será montado no Paraná vai atender o mercado interno e também será exportado para a América do Sul e América Central. O carro será lançado oficialmente no início de Novembro no Salão do Automóvel 2018.

Com o apoio do Governo do Estado, por meio do programa Paraná Competitivo, a Volkswagen investe R$ 2 bilhões para a ampliação e modernização da unidade paranaense. “Este programa é um modelo de atração de investimentos e dá grande contribuição para o desenvolvimento do nosso Estado", ressaltou a governadora Cida Borghetti, lembrando que o investimento da marca era disputado por outros estados brasileiros.

Siga nossas Redes Sociais

Receba nossas Notícias